quarta-feira, 23 de setembro de 2009


A Felicidade na Terra


*Irmão Saulo

A felicidade é uma questão de compreensão. As criaturas que encaram a vida sem nenhuma compreensão da sua realidade espiritual não podem ser felizes. Seus momentos de alegria e satisfação passam depressa e são em poucos. Porque elas colocam a felicidade onde ela não pode estar, querem encontrá-la em coisas ilusórias que logo se desfazem. A felicidade mora em nós mesmos, em nossa consciência. Temos um objetivo na vida e só somos felizes quando o estamos realizando.

As regras que André Luiz nos oferece mostram isso de maneira bem clara e confirmam O Livro dos Espíritos em sua questão 921. No comentário a essa questão Kardec adverte: “O homem bem compenetrado do seu destino futuro só vê na existência corpórea uma rápida passagem”. Descartes já nos alertava contra o perigo de confundirmos a alma com o corpo. Quando não sabemos nos distinguir do próprio corpo o que buscamos é uma felicidade ilusória, egoísta e efêmera. Ela pode nos satisfazer por alguns instantes, mas logo murchará em nossas mãos e nos sentiremos grandemente infelizes.

É bom gravarmos em nossa mente este ensino de André Luiz: “Criar alegria e segurança nos outros é aumentar o nosso rendimento de paz e felicidade”. Esta não é apenas uma recomendação moral, é uma lei cientifica. Porque a vida humana é psíquica e não material. Vivemos num oceano de vibrações psíquicas, em permanente permuta com as outras pessoas. Se pensamos no mal atraímos vibrações más, se pensamos no bem atraímos boas vibrações, e se fazemos o bem criamos um potencial de bondade, paz e felicidade ao nosso redor, beneficiando também os outros.

É evidente que não podemos mudar o mundo por nós mesmos. Nem podemos fazer-nos anjos de um momento para outro. Temos o nosso passado negativo, mas o presente nos oferece a oportunidade de criar um futuro positivo. Enquanto o criarmos com nossos bons pensamentos e boas ações teremos a felicidade que é possível ao homem gozar na Terra, mundo ainda inferior, de provas e expiações. Venceremos nossas provas com alegria e superaremos nossas provações com esperança, compreendendo que nos libertamos a nós mesmos para a felicidade real do espírito que é o destino de todas as criaturas.


* Irmão Saulo foi o pseudônimo utilizado por José Herculano Pires em alguns dos seus textos, quando ainda encarnado.

Do livro “Na Era do Espírito”, de Francisco C. Xavier e José Herculano Pires.

2 comentários:

Unknown man disse...

Belo texto!!!

Não podemos mudar o mundo, mas devemos mudar a nós mesmos. Afinal, acredito que, se todos começarem a mudar em si mesmo, o mundo naturalmente irá mudar.

Abraços

CARLOS PEREIRA disse...

Olá, seja bem vindo!

Os textos de Herculano são realmente muito belos!, sempre muito objetivos e cheios de grandes reflexões para a nossa vida.

Decerto, caro leitor, toda mudança tem que ser feita de dentro para fora, e o momento presente é a grande oportunidade que Deus nos concede, para construirmos um futuro melhor.

Grato pela sua visita e pelo seu comentário.

Abraço fraterno,

^