quinta-feira, 21 de agosto de 2014

terça-feira, 19 de agosto de 2014

domingo, 17 de agosto de 2014

O Despertar da Vida Espiritual

José Trigueirinho, filósofo espiritualista idealizador e fundador da Comunidade Figueira, um dos membros fundadores da Fraternidade – Federação Humanitária Internacional, e cofundador da Ordem Graça Misericórdia num debate que traz uma série de elucidações a cerca da nossa condição espiritual como seres encarnados na terra vivendo no momento de transição planetária.


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

As Virtudes do Sermão da Montanha

Nessa exposição o psiquiatra, psicoterapeuta e presidente da AME (Associação Médico-Espírita) de Pelotas, Sergio Lopes, faz a decodificação de uma das mais emblemáticas mensagens de Jesus legada à humanidade pautada em virtudes essenciais a serem desenvolvidas para galgarmos a plenitude espiritual.


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Meditação e Prece

Uma conversa com o Monge Sato (do templo budista Terra Pura) e o professor universitário espírita Ricardo Gouche trazendo elucidações sobre o tema “Meditação e Prece”.


sábado, 9 de agosto de 2014

O Espírito da Ciência e o da Gentileza

O médium e orador espírita Divaldo Pereira Franco faz uma narrativa que passeia pelas experimentações e descobertas históricas da ciência para a humanidade, alinhando razão e sentimento na palestra “O Espírito da Ciência e o da Gentileza” realizada em Araçatuba/S.P no ano de 2013.


quinta-feira, 7 de agosto de 2014

A Nova Educação

A pedagogia embasada nos aspectos doutrinários científicos e filosóficos espíritas como agente transformador social de uma nova era.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Os 150 anos de O Evangelho Segundo o Espiritismo

Um diálogo espírita em homenagem a passagem dos 150 anos do lançamento da obra “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, em abril de 2014, apresentado pelo palestrante Orson Peter Carrara.

domingo, 3 de agosto de 2014

A Lei de Causa e Efeito

O Programa Transição debatendo sobre o tema “Lei de Causa e Efeito” com a participação da pesquisadora espírita “Suely Caldas Schubert” e convidados.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Especial do Mês


No mês de agosto o especial “Diálogos Espíritas” exibe uma seleção de entrevistas e exposições em vídeo de programas de emissoras espíritas, abordando os mais variados temas com a participação de personalidades e estudiosos da doutrina espírita do nosso país.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Retratos



No que falas e escreves,
a cultura te revela a imagem
do cérebro, à frente dos semelhantes.

Nas provações que suportas
com paciência e naquilo que
fazes com amor, a caridade,
perante os outros, te mostra
o retrato do coração.


Emmanuel

Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Maturidade e Consciência


A consciência atinge a plena conquista, quando o ser amadurece no seu processo psicológico de evolução. Esse amadurecimento é o resultado de um contínuo esforço em favor do autoconhecimento e da coragem para enfrentar-se, trabalhando com esforço íntimo as limitações e os processos infantis que nele ainda predominam.

Não sabendo superar as frustrações, fixa-as no inconsciente e torna-se sua vitima, fugindo para os mecanismos da irresponsabilidade toda vez que se vê a braços com dificuldades e enfrentamentos.

A maturidade psicológica não se restringe ao período de desenvolvimento da infância, e sim, ás várias fases da vida, considerando-se que a aprendizagem e o crescimento não cessam nunca, tornando-se uma constante até o momento da individualização, no qual o espírito comanda a matéria e o mantém-se em harmonia com o físico.

Não seja de estranhar que indivíduos adultos mantenham comportamentos infantis e que jovens se apresentem com equilibrada maturidade.

Naturalmente, o espírito é o agente da vida e dele procedem os valores que são ou não considerados durante a existência corporal.

O mecanismo para o amadurecimento psicológico do ser expressa-se de maneira natural, aguardando que a vontade e o contínuo esforço, para o reconhecimento das debilidades físicas, emocionais e outras, facultem o ânimo para corrigi-las e superá-las.

As funções psíquicas, que Jung classificou em número de quatro - sensorial, sentimental, intelectual e intuitiva - devem constituir um todo harmônico, sem predominância de alguma em detrimento de outra, proporcionando o amadurecimento, portanto, a plena realização da consciência.

O amadurecimento psicológico se exterioriza quando se ama, quando se alcança esse sentimento ablativo, demonstrando a libertação da idade infantil.

Egocêntrica e ambiciosa , a criança apega-se à posse e não doa, exigindo ser protegida e jamais protegendo, amada sem saber amar, nem como expressá-lo. O seu amor é possessivo e sempre se revela no receber, no tomar.

O seu tempo é presente total.

O adulto, diferindo dela, compreende que o amor é a ciência e arte de doar, de proporcionar felicidade a outrem.

O seu tempo é o futuro, que o momento constrói etapa a etapa, à medida que lhe amadurecem a afetividade e o psiquismo.

Enquanto o amor não sente prazer em doar, experimenta o período infantil, caracterizando-se pelo ciúme, pela insegurança, pelas exigências descabidas, portanto, egocêntrico, impróprio.

Quem ama com amadurecimento, plenifica-se com a felicidade do ser amado e beneficia-se pelo prazer de amar.

Há nele uma compreensão de liberdade que alcança os patamares elevados da renúncia pessoal, em favor da ampla movimentação e alegria do ser amado.

O que hoje não consegue, semeia em esperança para o amanhã.

O idoso amadurecido realiza-se em constantes experiências de amor e vivência culturais, emocionais, sociais beneficentes, livres do passado, das reminiscências que lhe constituem prazer fruído, no entanto, sem sentido.

Como o crescimento do homem maduro não termina, a sua consciência promove-o à certeza de que, desvestido do corpo, ele prosseguirá evoluindo.

Sintetizando toda a sabedoria de que era portador, Jesus, na condição de Psicólogo Excelente, prescreveu para as criaturas humanas a necessidade de se amarem umas às outras.

Com esta lição ímpar, não somente reformulou as propostas egocêntricas da Lei Antiga, de reações cruéis, portanto, infantis, como abriu perspectivas extraordinárias para a integração da criatura com o seu Criador, o Amor Supremo.

Posteriormente, buscando propiciar o amadurecimento das criaturas, Allan Kardec indagou aos Mensageiros da Luz, qual a mais meritória de todas as virtudes, e eles responderam, qual está registrado em O Livro dos Espíritos, na resposta de número 893:

- Toda virtude tem seu mérito próprio, porque todas indicam progresso na senda do bem. Há virtude sempre que há resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores. A sublimidade da virtude, porém, está no sacrifício do interesse pessoal, pelo bem do próximo, sem pensamento oculto. A mais meritória é a que assenta na mais desinteressada caridade. Porquanto através do autoconhecimento, o ser pensante, descobre as próprias imperfeições, trabalha-as, e, levado pela necessidade gregária, sai da solidão e ama.


Joanna de Ângelis

Do livro Momentos de Consciência, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Joanna de Angelis.

sábado, 26 de julho de 2014

No Tesouro das Horas


Meus amigos, em nossas reuniões do Espiritismo Evangélico, não nos esqueçamos da boa vontade e da cooperação.

Quinze minutos de amparo fraternal, através da conversação educativa, representam valioso tempo na construção do bem.

Os orientadores da Vida Maior não se expressam junto de nós exclusivamente através da máquina mediúnica, especializada em suas funções técnicas.

Mais que isso, aproximam-se de nossa expressão verbalística e tomam-nos a palavra por fio de transmissão de ensinamentos preciosos ou por veículo de medicação eficiente aos que nos acompanham detendo problemas mais asfixiantes que os nossos.

Uma frase amiga...

Um trecho de leitura edificante...

Um apontamento consolador...

O relato de uma experiência construtiva...

Tudo isso é recurso no levantamento do Reino de Deus que lutamos por alcançar.

Abstenhamo-no de converter as nossas reuniões em congressos de fadiga e expectação inoperante.

É possível materializar em nossos agrupamentos de oração o mais seguro aprendizado com o Divino Mestre, através da palavra bem conduzida.

Um quarto de hora é inestimável para Deus.

É preciso não perdê-lo em divagações inúteis, em suspiros de cansaço, em aflição injusta ou em ociosidade incompatível com a nossa fé.

Todos podemos dar.

Esta é a primordial revelação do amor que nos rege os destinos.

Comecemos a concretização da caridade, dando ao próximo algo de nossa esperança, de nosso trabalho ou de nossa cultura, em forma de notícias de nosso mundo interior, ainda em processo de adaptação ao Evangelho.

Cada assembleia espírita-cristã é acompanhada de corações sequiosos de reconforto e de luz.

Desencarnados e encarnados, em obstáculos escuros na própria vida, esperam de nós o socorro providencial que uma simples frase, muitas vezes, pode realmente estabelecer.

Recordemos, desta forma, o tesouro dos minutos e aproveitemo-lo.

Nós sempre somos tão pródigos nos comentários puramente humanos, em torno da ignorância e da penúria que nos rodeiam, mas podemos modificar o impulso de nossa fertilidade mental no rumo do bem, mobilizando a palavra para a edificação de todos.


Emmanuel

Do livro Bênçãos de Amor, de Francisco Cândido Xavier.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Estuda Sempre



Estuda sempre.

Incorpora às tuas atividades o
hábito da boa leitura.

Uma página por dia,
um trecho nos intervalos do serviço,
uma frase para meditação, tornam-se o cimento
forte da tua construção para o futuro.

O conhecimento é um bem
que, por mais seja armazenado, jamais
toma qualquer espaço.

Pelo contrário, faculta mais ampla facilidade
para novas aquisições.

As boas leituras enriquecem a mente,
acalmam o coração, estimulam ao progresso.

O homem que ignora, caminha às escuras.

Lê um pouco de cada vez, porém,
fá-lo constantemente.


Joanna de Ângelis

Do livro “Vida Feliz”, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis.
^