quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Especial do Mês


Evangelizar o ser é lançar sementes que germinarão no futuro e reverberão em luzes de amor e paz. Educar na ciência é nortear caminhos para se trilhar rumo ao progresso, educar na religiosidade é libertar o indivíduo para alçar voo rumo aos altiplanos da plenitude moral e espiritual. No especial do mês “Evangelizar para o Futuro” o Manancial de Luz reúne artigos, palestras e mensagens que abordam a evangelização espírita e sua importância para a fase atual da transição planetária de mundo de provas e expiações para mundo de regeneração.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Para que floresça a Primavera


Em algum lugar… Há de florescer!



Neste tempo em que vivemos cada vez mais isolados no mundo virtual onde, paradoxalmente procuramos parceria e amizade, quando não as oferecemos no mundo real a quem caminha conosco, a opção de alguns poucos em passar e repassar através de páginas sérias, uma mensagem de paz, amor e otimismo é, sem dúvida bem pouco popular.

As redes sociais são realmente muito mais eficientes em tornar ilustres desconhecidos, sem nenhum conteúdo saudável, verdadeiras celebridades que influenciam de uma maneira bem pouco correta às mentes de nossas crianças, jovens e também adultos ‘distraídos’.

Além de acentuar de maneira dramática a solidão e o isolamento que se procura aplacar participando compulsivamente delas.

Mas a internet é uma realidade e aqueles que na vida real escolheram espalhar o bem através de seus atos concretos do dia a dia também podem e devem fazê-lo através desta ferramenta.

Até mesmo para oferecer um contraponto aos valores equivocados difundidos pela maioria e tentar influenciar positivamente quantos for possível.

Certamente que esta opção não lhes dará popularidade, nem tão pouco se tornarão celebridades instantâneas… Muitas vezes terão a nítida impressão de estar falando sozinhos.

Mas aqueles que, por vezes, com o coração sangrando pelos imensos conflitos internos, comuns a todos nós, escolhem espalhar o bem, carregam consigo a certeza de que em algum lugar deste universo, há de florescer a semente do imenso amor que trazem no peito.

Da alegria e da gratidão que sentem por estarem vivos, apesar de todas as dores, de todas as lutas… de todas as agruras do caminho.

Em algum lugar do mundo haverá alguém que se sensibilize e passe adiante a suas palavras de fé, fraternidade e otimismo, criando uma atmosfera de paz, como pequeninas gotas que formarão um enorme oceano de amor.

Não podemos evitar o progresso tecnológico nem sufocar o desenvolvimento intelectual da humanidade, mas podemos sim, fazer o possível para utilizá-los da melhor maneira, fazendo brilhar a luz da mensagem Divina.

-Se for para tornar algo popular, que seja a fraternidade.

-Se for para fazer algo célebre, que seja a paz.

-Se for para espalhar algum vírus, que seja o vírus do amor.


Silvia Gomes

sábado, 27 de setembro de 2014

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Lira do Além



Lira que tanges para as grandes dores
Da humanidade que se desespera,
Espalha pelo mundo a primavera
Da esperança nos peitos sofredores.

As tuas melodias interiores
Descem das claridades de outra esfera,
Onde a alegria pura, alta e sincera,
Canta os hinos de eternos esplendores...

Viajor da terra: aguça os teus ouvidos,
Descansa sobre a estrada os pés feridos
E ouve os acentos ternos e profundos

Dessa lira do além que tange aos ventos
Da eternidade de deslumbramentos,
Nos acordes de paz dos outros mundos!


Francisco Octaviano


Por Francisco Cândido Xavier

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Primavera



A primavera no prado
Toda vestida de flores
Trouxe lençóis multicores
Que brilham ao sol dourado.

Parece a festa das cores
No caminho perfumado,
Para a alegria do arado
E paz dos trabalhadores.

Minúsculos passarinhos
Entoam, nos altos ninhos,
Cantos de amor e inocência...

A Natureza revela,
Sublime, ditosa e bela,
As luzes da Providência!...


João de Deus

Do livro "Jardim de Infancia", de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito João de Deus.

domingo, 21 de setembro de 2014

Spring Charm - Celtic Music

Sons de pássaros fundem-se com os instrumentos artesanais celtas para fazer uma primorosa reverência à primavera, na canção new age “Spring Charm”.


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Pensamentos de Primavera



"Não te magoe a tempestade imensa,
Que o sol da crença te ilumine a Cruz.
Sofre e confia, serve a Deus e espera
A primavera da Divina Luz!"
Valado Rosas

"O Brasil é o pacífico Celeiro
De nova luz aos povos sofredores,
Onde a Fraternidade espalha as flores,
Da imortal primavera do Cordeiro."
Pedro de Alcântara

"A fé clareia as noites mais sombrias,
Fazendo-te entrever a primavera
Que despetala flores nos altares."
Olavo Bilac

"No mundo, a lepra e a santa luz que exprime
A lei do bem que salva e regenera,
Alvorecer da Eterna primavera
Que se estende no Céu, ampla e sublime."
Jesus Gonçalves

"A mocidade cristã é a primavera bendita de luz,
anunciando o aperfeiçoamento da Terra."

Emmanuel


Do livro Dicionário da Alma, de Francisco Cândido Xavier, por Espíritos Diversos.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014


Para encontrar o bem e assimilar-lhe a luz, não basta admitir-lhe a existência. É indispensável buscá-lo com perseverança e fervor.

Ninguém pode duvidar da eletricidade, mas para que a lâmpada nos ilumine o aposento recorremos a fios condutores que lhe transportem a força, desde a aparelhagem da usina distante até o recesso de nossa casa.

A fotografia é hoje fenômeno corriqueiro; contudo, para que a imagem se fixe, na execução do retrato, é preciso que a emulsão gelatinosa sensibilize a placa que a recebe.

A voz humana, através da radiofonia, é transmitida de um continente a outro, com absoluta fidelidade; todavia, não prescinde do remoinho eletrônico que, devidamente disciplinado, lhe transporta as ondulações.

Não podemos, desse modo, plasmar realização alguma sem atitude positiva de confiança.

Entretanto, como exprimir a fé? – indaga-se muitas vezes.

A fé não encontra definição no vocabulário vulgar.

É força que nasce com a própria alma, certeza instintiva na Sabedoria de Deus que é a sabedoria da própria vida. Palpita em todos os seres, vibra em todas as coisas. Mostra-se no cristal fraturado que se recompõe, humilde, e revela-se na árvore decepada que se refaz, gradativamente, entregando-se às leis de renovação que abarcam a Natureza.

Todas as operações da existência se desenvolvem, de algum modo, sob a energia da fé.

Confia o campo no vigor da primavera e cobre-se de flores.

Fia-se o rio na realidade da fonte, e dela não prescinde para a sua caudal larga e profunda.

A simples refeição é, para o homem, espontâneo ato de fé. Alimentando-se, confia ele nas vísceras abdominais que não vê.

Todo o êxito da experiência social resulta da fé que a comunidade empenhe no respeito às determinações de ordem legal que lhe regem a vida.

Utilizando-nos conscientemente de semelhante energia, é-nos possível suprimir longas curvas em nosso caminho de evolução.

Para isso, seja qual for a nossa interpretação religiosa da ideia de Deus, é imprescindível acentuar em nós a confiança no bem para refletir-lhe a grandeza.

Recordemos a lente e o Sol. O astro do dia distribui equitativamente os recursos de que dispõe. Convergindo-lhe porém, os raios com a lente comum, dele auferimos poder mais amplo.

O Bem Eterno é a mesma luz para todos, mas concentrando-lhe a força em nós, por intermédio de positiva segurança íntima, decerto com mais eficiência lhe retrataremos a glória.

Busquemo-lo, pois, infatigavelmente, sem nos determos no mal.

O tronco podado oferece frutos iguais àqueles que produzia antes do golpe que o mutilou.

A fonte alcança o rio, desfazendo no próprio seio a lama que lhe atiram.

Sustentemos o coração nas águas vivas do bem inexaurível.

Procuremos a boa parte das criaturas, das coisas e dos sucessos que nos cruzem a lide cotidiana. Teremos, assim, o espelho de nossa mente voltado para o bem, incorporando-lhe os tesouros eternos, e a felicidade que nasce da fé, generosa e operante, libertar-nos-á dos grilhões de todo o mal, de vez que o bem, constante e puro, terá encontrado em nós seguro refletor.


Emmanuel

Do livro Pensamento e Vida, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Palavras do Semeador



Cultiva o bem e a paz na própria lida.
O mundo é um campo imenso aberto à vida.
Plantarás...colherás...
Tudo será, depois, como escolhemos,
O charco mais profundo ou os céus supremos,
A alegria ou a tristeza, a guerra ou a paz.

Repara em torno de teus pés, a glória
Que te enriquece a senda transitória!...
É a seara de luz
Daqueles que, ajudando e abrindo os braços,
Traçaram, por amor para os teus passos,
O roteiro da fé que te conduz.

A luta é a escada enorme em que te elevas,
Além do sofrimento, além das trevas,
É o buril da aflição
Que, a golpes de amargura, te atormenta,
Em toda parte, é a santa ferramenta,
Que aprimora e redime o coração.

Não te detenhas! Crê, ama e confia.
Depois da noite há sempre um novo dia...
Louva o eterno esplendor!...
E, embora o gelo e a sombra, serve e espera,
Semeia agora a excelsa primavera
Dos teus sonhos de amor.

A vida que te segue e te rodeia
É a gleba sempre ativa e sempre cheia
De princípios do bem.
Cultivando a bondade doce e pura,
Acolherás os pomos da ventura,
Aqui, agora e além...

Aprende sem repouso e ama servindo
E o teu futuro brilhará mais lindo
Na beleza real.
Faze jorrar o sol que te ilumina
E ceifarás, mais tarde, a luz divina
Na seara imortal!...


Carmem Cinira
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Canção Materna



Filho do coração, além das dores
Da cruz de pranto que te dilacera,
Fulge, sublime, excelsa primavera
Ao sol do amor de todos os amores.

Agradece os espinhos e amargores
Em que te afliges sob a longa espera...
E lançando ao futuro a alma sincera,
Vara, gemendo, os trilhos redentores.

Chora, louvando as lágrimas doridas,
Que nas lavam as sombras de outras vidas
Como forças de imensa tempestade...

Trabalha, serve e crê, ama e confia
E ascenderás à glória da alegria
No coração de luz da Eternidade.


Auta de Souza

Por Francisco Cândido Xavier

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Primavera



As sombras já se foram, o frio já passou.

É vinda a primavera.

O sol esplende radioso no firmamento, o céu se azula, as sementes germinam no solo, as árvores reverdecem e as flores gentis se derramam sobre a terra, num olente festival de graça e de beleza.

É assim na natureza, e é assim na vida.

Todos experimentamos, ao longo da existência, as incessantes mudanças de estações.

Sentimos o calor estimulante dos verões, a suave doçura dos outonos e o açoite gelado dos ventos invernais.

Mas chega sempre para todos nós uma nova primavera, que nos renova o ânimo e faz reflorirem as nossas esperanças.

Seja de novo assim agora, porque é tempo de crer e construir.

Que seja também primavera na tua alma.

Que o teu coração seja feliz.



Nina


Psicografia de Hernani T. Sant’anna

Do livro Amar e Servir, Mensagens Mediúnicas, de Hernani T. Sant’anna.

domingo, 7 de setembro de 2014

As quatro Estações - A Primavera de Vivaldi

Clássico Quatro Estações de Antonio Lucio Vivaldi, apresentando concerto #1, Opus 8, "La Primavera" - Allegro, Largo e Danza Pastorale pela Scottish Chamber Orchestra, 1996.


sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Pétalas da Primavera



E as pétalas
Despreendem-se das flores,
Enviam o perfume que destilam
Para o Alto, sempre mais Alto,
Em reverência a Deus…

E depois se espalham pela Terra
Em sinal de agradecimento
Pela cor e beleza, aroma e vida,
Com que o mundo as fez,
Belas e brilhantes.

Emmanuel

Psicografia de Francisco Cândido Xavier

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

A Primavera dos Sentimentos


A primavera é uma estação que costuma alegrar e inspirar grande número de pessoas. Poucos lhe são indiferentes.

É lembrada como a estação das flores, pois essas costumam ser exuberantes nessa época, alegrando nossos olhos com um espetáculo de cores.

O ar se enche do aroma das flores e nos provoca sensações de bem estar, não raro nos trazendo boas lembranças de outras primaveras, pois o sentido do olfato tem uma forte ligação com a memória.

Os pássaros iniciam a época de seu acasalamento e, a cantar, convidam um parceiro para dar continuidade à sua espécie, perpetuando a vida.

No ar o pólen das flores busca espécimes similares para que o espetáculo visual tenha continuidade.

Sem dúvida é uma estação na qual há uma verdadeira explosão de vida na natureza!

E nós, seres humanos nos contagiamos com tal exuberância. As novas temperaturas convidam a sair, ao contrário do frequente ensimesmamento do inverno.

Cuidamos de nossos jardins, podamos nossas árvores para que seus brotos sejam mais fortes e esperamos.

Mas, não raro, passadas as primeiras semanas, as cores da natureza já não chamam mais nossa atenção pois deixam de constituir novidade.

Voltamos à rotina. É necessário que um novo inverno nos faça desejar novamente a primavera.

Assim também nos comportamos em nossas relações afetivas. Quando conhecemos alguém que desperte em nós o amor, sentimos, inicialmente, uma imensa alegria, e passamos a nos comportar de maneira diferente.

Tal qual na primavera, nossos sentimentos parecem flores a se abrir. Nossas atitudes em relação à pessoa amada são delicadas.

Nossa voz possui um tom de ternura tal qual o canto de um pássaro.

Quando amamos emitimos pensamentos que modificam nossa fisionomia, estampando em nossa face um sorriso constante. Da mesma forma que o perfume das flores nos atrai, os pensamentos nobres atraem pessoas à nossa volta.

Ao emitirmos bons pensamentos modificamos a energia que nos rodeia, a energia na qual nosso corpo está imerso.

Não é à toa que a Ciência tem demonstrado que quem ama mantém a saúde, atrasa o envelhecimento de suas células, e vive mais.

No entanto, frequentemente, deixamos o tempo transformar o sentimento em algo rotineiro, esquecemo-nos de adubá-lo e de regá-lo, pois já não nos é mais uma novidade.

Permitimos o calor das discussões e, depois delas, o esfriamento da distância e da desatenção.

Então, tal qual em relação às estações, aguardamos por uma nova primavera embora não nos esforcemos por ela, esquecidos de que somos plenamente responsáveis por nossos sentimentos.

O amor verdadeiro é sólido, dá abrigo e segurança qual frondosa árvore sob a qual nos abrigamos. As intempéries não mais a vergam.

Mas essa árvore foi um dia uma semente que germinou em solo fértil, que foi regada pelas chuvas, que se enraizou progressivamente até se tornar sólida e bela.

Lembremos sempre que o amor não prescinde de cuidados, de pequenas atenções, de carinho, pois se amamos mas não exteriorizamos este sentimento, de forma equilibrada e constante, algum dia ele poderá ser esquecido.

Pensemos nisso!



Redação do Momento Espírita, em 27.11.2009.
^