sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Destaque: “Camille Flammarion e a Ciência Espírita”




"O corpo passa. A alma vive no infinito e na eternidade." - FLAMMARION, 1923.


Dos colaboradores de Kardec, Camille Flammarion foi o que mais valorizou a construção do conhecimento espírita a partir da metodologia empírica e positivista. Como conseqüência desta sua postura ele passou anos de sua vida buscando fatos, sobre os quais construiu a convicção na imortalidade da alma, na comunicabilidade dos espíritos e na existência de faculdades extra-sensoriais nos homens, o que frutificou-se na Metapsíquica de Richet e posteriormente na Parapsicologia de Rhine.

Esta sua visão de ciência e as suspeitas que passou a ter para com os aspectos filosóficos e religiosos do Espiritismo não o tornaram, contudo, um iconoclasta, aos moldes de alguns críticos contemporâneos do aspecto religioso do Espiritismo. Suspeitando do método de Kardec, Flammarion lançou-se ao estudo continuado da fenomenologia espírita, oferecendo-nos, quando desencarnou, uma obra que tornou mais sólidas as bases científicas da doutrina espírita. Quem sabe estes últimos não possam ter suas idéias arejadas pelo pioneirismo do astrônomo francês e redirecionar suas ações em uma cruzada de construção e consolidação.

Crítico dos sistemas religiosos e das verdades misteriosas bastante difundidas em sua época, Flammarion se rendia ao espírito religioso e à construção de uma religião natural, sem dogmas, sem mistérios e sem sobrenatural, como o pensava Allan Kardec.

A obra espírita de Flammarion sustentou e alimentou diversas gerações de espíritas em nosso país, foi uma fonte importante nas discussões que o movimento espírita brasileiro teve de sustentar com diversos segmentos científicos e políticos de nossa sociedade para manter o direito constitucional de existir. Consideramos fundamental que a geração nova, que vem adquirindo as bases do conhecimento espírita nas muitas mocidades e juventudes de nosso país, não olvidasse a obra deste cientista espírita. Se assim o dizemos aos jovens, o que não diríamos aos muitos grupos e reuniões de estudo sistematizado do Espiritismo.

Saudamos com estas poucas linhas a memória e a obra do mais polêmico dos espíritas franceses contemporâneos de Kardec.


Trecho do artigo “Camille Flammarion” postado no site “Centro Espírita Trabalhadores de Jesus” em 2004, por Jáder dos Reis Sampaio.

2 comentários:

Aline Souza disse...

Olá Carlos!
Me encantei com o seu blog, uma maravilhosa fonte de luz. Obrigada por compartilhar conosco um trecho deste ótimo artigo sobre Camille Flammarion.

Abraços,
Aline S.

CARLOS PEREIRA disse...

Grato Aline,
Seja sempre bem-vinda.

Abraço fraterno,
Carlos Pereira

^