quinta-feira, 15 de maio de 2014

A Prece Espírita


Numa época em que orar se tornou um hábito obsoleto, inclusive para os próprios religiosos, o Espiritismo faz com que o homem redescubra o valor da prece.

Orar, para o espírita, é um ato consciente.

Na prece, em que procura valorizar mais o sentimento do que as palavras, ele empreende um estudo sobre si mesmo, de forma sincera.

O espírita sabe que a oração lhe possibilita a sintonia com os Planos Mais Altos, haurindo forças para perseverar no caminho que escolheu palmilhar sobre a Terra.

Quando ora, portanto, eis que ele se coloca, onde estiver numa atitude de respeito e de reverência ao Criador.

Para o espírita, o hábito de orar deve ser tão natural quanto o de respirar.

Promovendo o necessário silêncio interior, ele busca ouvir a Resposta Divina às suas súplicas, resignando-se ante as provas imprescindíveis ao seu burilamento.

Nas decisões que precise tomar, o espírita ora, pedindo inspiração, compreendendo que todos estamos submetidos a um Poder Superior que governa a Vida.

Para ele, a prece nunca é enfadonha.

Esforçando-se no sentido de que haja coerência entre o que fala e o que faz, o espírita, de suas ações de cada dia, procura fazer uma prece contínua que oferece a Deus em holocausto de amor.

Para o espírita, não existem fórmulas especiais de oração.

Excetuando-se o “Pai Nosso”, a prece-símbolo da fraternidade entre os homens, que nos foi ensinada por Jesus, todos podemos compor as nossas preces segundo as próprias ideias e emoções.

Se os dirigentes das nações cultivassem o hábito da oração, antes que passassem a discutir em torno de uma mesa os problemas internacionais, certamente que o resultado de suas negociações seria bem diferente.

Se as autoridades governamentais de cada país orassem com fervor, a paz no mundo seria uma realidade e não um simples sonho.

Se todos os lares orassem de acordo com as suas convicções religiosas, a Terra seria um paraíso, atraindo para si as influências positivas do Universo, transformando-se numa estrela de brilho infindável.

Por isto, os espíritas são chamados a uma revalorização da prece, no mundo atual, que parece mentalmente afastado de Deus.

A indiferença do homem pela prece evidencia a indigência espiritual em que ele vive hoje.

E que dizermos daquele que ora simplesmente por orar, como se a oração fosse um conjunto de palavras sem alma?!...

Que o espírita perceba a extensão de sua responsabilidade e peça a Deus forças para não recuar diante dela, em sua condição de “sal da terra”...

De nossa parte, em nome dos que servem ao Cristo na seara espírita, estaremos a postos para auxiliá-los no que possamos, ainda que efetivamente possamos muito pouco.


Irmão José

Psicografia de Carlos A. Baccelli

Um comentário:

yuri elias disse...

Gostaria de exteriorizar minha gratidão e minha admiração pelo trabalho feito por este blog, de fato, honra o nome que recebe. Foco de luz em meio ao besteirol da internet, com matérias e leituras edificantes para o espírito. Que no momento que passamos, a divulgação e, principalmente, a prática do bem se tornem corriqueiras. Caso precise de um colaborador, me coloco a disposição.
Fraternamente,
Yuri E. Tavares

^