segunda-feira, 28 de novembro de 2011

O Livro Espírita: Algumas Considerações



Um esboço histórico e atual da Literatura Espírita


Por Aécio Pereira Chagas


1 – A importância do livro

Muitos marcos históricos e culturais da humanidade têm sido indicados pelo livro: O povo judeu, conhecido como o povo do livro, devido a seus livros sagrados. Os Livros da Boa Nova, caracterizando os primeiros cristãos (a propósito: os textos eram anteriormente escritos em rolos de papiro ou pergaminho chamados em latim de volumem, depois surgiram os códices, folhas costuradas, como atualmente são os livros e esta mudança, segundo alguns historiadores, está associada à difusão do cristianismo). No início dos tempos modernos temos a epopeia das navegações em Os Lusíadas, de Camões, e o Do Movimento dos Corpos Celestes, de Copérnico, ambos no século XVI. O nascimento da Química moderna com o Tratado Elementar de Química, de Lavoisier, em 1789. Citamos apenas alguns exemplos.

O surgimento da Doutrina do Espíritos não poderia ser de outra forma: o lançamento de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, em 18 de abril de 1857. Lembremos aqui uma mensagem recebida na Sociedade Espírita de Paris em 19 de fevereiro de 1864 e que está publicada na Revue Spirite (Revista Espírita) , assinada pelo Espírito Guttemberg. Ele disserta sobre o surgimento da imprensa, em 1456, mostrando que até aquela época, as civilizações se expressavam através dos monumentos de pedra, a partir daí “o pensamento mistura-se ao ar, espiritualiza-se, será indestrutível”. É interessante este contraponto: a transitoriedade da pedra e a perenidade do que se mistura ao ar.

O livro foi, é e será, por muito tempo ainda, um dos principais instrumentos de instrução e aprendizagem, de transmissão e armazenagem de ideias. Melhor que qualquer prosa são os versos de Castro Alves: Oh! Bendito o que semeia Livros... livros à mão cheia... E manda o povo pensar! O livro caindo n’alma É germe – que faz a palma, É chuva – que faz o mar (Castro Alves, O Livro e a América). Como dissemos, a Doutrina Espírita surge com o livro. O Movimento Espírita vai se formando, se estruturando sobre o livro, inicialmente na França e, depois, no resto do mundo, com as traduções.

No Brasil, o Espiritismo é inicialmente conhecido apenas por alguns intelectuais, ou seja, pessoas letradas e conhecedoras da língua francesa, capazes de ler as obras de Kardec no original . O Espiritismo torna-se um pouco mais popular depois que surgiram as primeiras traduções (não podemos nos esquecer que o Brasil, na época, era um país em que a grande parte da população era analfabeta). A primeira tradução, no Brasil, de O Livro dos Espíritos foi em 1875, por Joaquim Carlos Travassos, sob o pseudônimo de Fortúnio (Editora Garnier, Rio de Janeiro) . Entretanto, dois fatos históricos interessantes, do início deste século, mostram a importância da imprensa na difusão do Espiritismo: Na cidade de São Paulo, Antônio Gonçalves da Silva, o Batuíra, fazia circular (a partir de 1890), o periódico espírita Verdade e Luz, com tiragem de 15 mil exemplares!. Em Matão, interior de São Paulo, Cairbar de Souza Schutel inaugura, em 1905, o periódico O Clarim, de grande penetração e que circula até hoje.

2 – Uma definição e uma classificação da literatura espírita

O conjunto de obras escritas sobre um determinado assunto é chamado bibliografia ou literatura. Assim podemos falar de Bibliografia Médica ou Literatura Médica, significando o conjunto das obras escritas (livros, revistas etc.) sobre Medicina ou que tenham interesse médico.

Fala-se também em literatura espírita ou bibliografia espírita, porém é necessário uma definição da mesma: Literatura Espírita é o conjunto de obras que versam sobre a Doutrina Espírita, ou foram escritas sob sua inspiração ou modelo, ou ainda, que foram incorporadas por lhe serem concordes. Note que há uma diferença entre a Bibliografia Espírita e a Doutrina Espírita.

A Bibliografia Espírita consta atualmente mais de *10.000 títulos disponíveis no mercado, ou seja, obras listadas nos catálogos das distribuidoras e das livrarias espíritas. Para auxiliar os estudantes da Doutrina Espírita, é interessante considerar dois critérios de classificação dessas obras, mais para mostrar o que há para ler, do que externar alguma posição doutrinária. Estamos menos na posição de um bibliotecário, porém mais na de um livreiro, ou melhor, de alguém que simplesmente resolve arrumar sua biblioteca.

O primeiro critério considera que a obra pode ser mediúnica ou não mediúnica. As primeiras são aquelas em que o autor é um espírito desencarnado, que, através de um médium, transmitiu sua obra até nós. As não mediúnicas são, evidentemente, as obras comuns, de autores encarnados. Do ponto de vista jurídico, o autor de uma obra mediúnica é o médium. Muitas obras espíritas são constituídas por partes mediúnicas e partes não mediúnicas, como por exemplo O Livro dos Espíritos.

O segundo critério é uma classificação das obras espíritas em cinco grupos:

Obras de Kardec
Obras complementares
Obras de divulgação ou didáticas
Romances e poesias
Periódicos

Vejamos um pouco de cada uma delas:

- Obras de Kardec: Podem ser também divididas em:

As cinco obras básicas: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.

Outras obras, inclusive de divulgação: O que é o Espiritismo, O Espiritismo em sua Mais Simples Expressão, Obras Póstumas, Viagem Espírita de 1862 e outras.

Revista Espírita, editada por Kardec, perfazendo, neste período, 1858 a 1869, 12 volumes. A Revista Espírita, pouco conhecida pelos próprios espíritas, constitui um repositório de ensaios, relatos de fatos espíritas ocorridos em diversas partes do mundo e em várias épocas, análises de vários problemas à luz da Doutrina Espírita, mensagens espirituais, citações da imprensa de vários países, refutações a acusações levantadas ao Espiritismo etc.

- Obras complementares: São as obras escritas por outros autores que complementam, desenvolvem, ampliam os temas apresentados nas obras de Kardec, desdobram determinados assuntos com mais esclarecimentos ou que trazem, inclusive, acréscimos e novidades, nos aspectos científicos, filosóficos e religiosos do Espiritismo. São constituídas por obras mediúnicas e não mediúnicas, englobando as escritas desde o século passado até recentemente. Dentre os autores espirituais citamos alguns: Emmanuel, André Luiz, Philomeno de Miranda, Bezerra de Menezes. Entre os encarnados podemos citar: Léon Denis, Gabriel Delanne, Bezerra de Menezes, Herculano Pires, Hermínio Miranda. Note que Bezerra de Menezes figura entre os dois grupos.

– Obras de divulgação ou didáticas: São obras destinadas a divulgarem a doutrina entre as pessoas que desconhecem o Espiritismo ou àqueles que começam a estudar a Doutrina, caracterizando-se, muitas vezes, por uma linguagem mais simples. Algumas são destinadas a crianças e jovens, outras a pessoas de “poucas letras”. Vamos destacar algumas a título de exemplo: O Espiritismo em Linguagem Simples e Ensinamento dos Espíritos, ambas de Homero Barros, destinadas a pessoas, crianças e adultos, que têm ainda dificuldades na leitura. Estudando a Mediunidade, de Martins Peralva, indicada para aqueles que começam a estudar a mediunidade. O Principiante Espírita, de Kardec, destinada a pessoas que querem ter uma ideia do que é o Espiritismo, insere-se também nesta categoria.

– Romance e poesia: Esta categoria constitui o maior contingente de obras, pois os romances têm a grande preferência do público. Os romances são às vezes obras de ficção, onde o elemento espiritual tem um aspecto importante, outras são narrativas verídicas, relatadas pelos próprios protagonistas que, na maioria das vezes, estão no plano espiritual. Parte são mediúnicos e parte são não mediúnicos. Além do deleite da leitura, os romances trazem também muitos ensinamentos doutrinários. Os livros de poesia, principalmente os mediúnicos, em menor número, são talvez mais significativos, pois além de seu lado belo, trazem também, em termos de estilo, a marca registrada do autor.

Façamos agora um parêntesis para comentar um pouco sobre um livro de poesia muito importante, chamado Parnaso de Além-túmulo, que é o primeiro livro psicografado por Francisco Cândido Xavier, lançado em 1932. No caso, parnaso significa antologia, coletânea de poesias. São cerca de 40 poetas brasileiros e portugueses que se manifestaram através do médium, com suas características, seus estilos próprios, alguns inconfundíveis. Como exemplo, uma estrofe de Castro Alves (espírito), para ser comparada com a que já mostramos no início deste artigo: Oh! Bendito quem ensina, Quem luta, quem ilumina, Quem o bem e a luz semeia Nas fainas do evolutir: Terá a ventura que anseia Nas sendas do progredir. (Castro Alves (espírito), Marchemos!, Parnaso de Além-túmulo).

Na linguagem literária, pasticho significa escrever imitando o estilo de outro autor. Pastichar um autor é coisa comum. Dois, é difícil. Três é raridade. 40 então...! A primeira vista, poder-se- a dizer que O Parnaso seria um pasticho feito pelo próprio Chico Xavier. Para isso ser possível ele deveria ter lido e estudado muito a literatura brasileira e portuguesa, além de ter dotes intelectuais muito raros. Quando o livro foi lançado o médium tinha cerca de vinte anos (muito jovem para tanta leitura), apenas o curso primário (4a série de hoje) e não demonstrava os raros dotes intelectuais necessários. É mais lógico e simples admitir a mediunidade que apelar para teorias do inconsciente ou coisas semelhantes. E há ainda vários outros livros deste tipo (antologias poéticas), psicografados pelo Chico, envolvendo ainda outros autores.

No segundo semestre de 2001, Alexandre Caroli Rocha defendeu sua tese de mestrado, “A poesia transcendente de Parnaso de além túmulo”, no Instituto de Estudos da Linguagem, na Unicamp (Campinas, SP), tendo sido aprovada. Neste trabalho, utilizando as ferramentas da Análise Literária, Rocha compara os poemas do Parnaso com os poemas escritos pelos autores “vivos” (João de Deus, Antero de Quental, Guerra Junqueiro, Cruz e Souza e Augusto dos Anjos), concluindo que ambos os grupos de poemas têm as mesmas características. Rocha ainda mostra algo muito interessante: o plano do Parnaso é o mesmo de O Livro dos Espíritos, ou seja, para cada capítulo deste último, há pelo menos um poema no Parnaso, que ilustra e exemplifica o tema tratado (Deus, Lei divina ou natural, prece etc.).

De qualquer forma, cabe ainda a pergunta: São eles mesmos? Na realidade a identificação dos espíritos é um problema difícil, conforme já disse Kardec: “A questão da identidade dos Espíritos é uma das mais controvertidas, mesmo entre os adeptos do Espiritismo. É que, com efeito, os Espíritos não nos trazem um ato de notoriedade e sabe-se com que facilidade alguns dentre eles tomam nomes que nunca lhes pertenceram. Esta, por isso mesmo, é, depois da obsessão, uma das maiores dificuldades do Espiritismo prático. Todavia, em muitos casos, a identidade absoluta não passa de questão secundária e sem importância real.”

Este parágrafo resume também as considerações que há no restante do capítulo. Kardec enfatiza sempre que o importante é o conteúdo da mensagem e não quem a assina. Na Revista Espírita há uma interessante polêmica entre espíritos, com relação aos estilos. No século XVIII, Buffon, célebre naturalista e escritor francês, em seu discurso de posse na Academia, proferiu o aforismo que “O homem é o seu próprio estilo” e que ficou conhecida na forma mais abreviada “O homem é o estilo”. Em 19 de julho de 1864, na Sociedade Espírita de Paris, Lamennais, outro destacado autor francês, dita uma comunicação em que contradiz Buffon, mencionando que muitas vezes a pessoa afirma algo que lhe é contrário e “longe de ser o autor moral de suas obras, é apenas o autor material,...”.

Lamennais refere-se ao fato de muitas vezes o autor atuar como médium. Dias depois o próprio Buffon envia uma réplica ao ditado de Lamennais, reafirmando seu aforismo, proferido quando encarnado, e tecendo alguns comentários sobre Lamennais. O espírito Buffon responde também a perguntas feitas por Kardec. Depois, em defesa de Lamennais há outras comunicações envolvendo luminares das letras francesas, além de respostas de Buffon e de Lamennais. Finalmente Erasto, mentor da reunião, comenta sobre o “torneio literário e filosófico ocorrido nas últimas sessões de vossa sociedade”. As conclusões que podemos tirar é que todos estão certos: o homem é o estilo, porém nem sempre ele é o autor moral de sua obra.

Há um romance mediúnico psicografado por Waldo Vieira, chamado Cristo Espera Por Ti cujo autor espiritual é Balzac, um dos mais importantes escritores franceses. O prefácio, que ele indica apenas por um ponto de interrogação, começa assim: ? E o leitor dirá: “Será mesmo?” Decerto, quem nos conhece não espera encontrar, nestas páginas, o mesmo Balzac, em tudo semelhante àquele de mais de século atrás. Imensas transformações se operaram dentro e fora de nós, tivemos outras experiências, passamos enormes temporadas sem vestir o burel, sem empunhar a pena, sem ingerir café... Mas isso não quer dizer que deixamos de ser nós próprios. Quem quiser averiguá-lo analise com imparcialidade os múltiplos ângulos deste volume e nos encontrará, intrinsecamente qual éramos, apresentando, não qualquer reedição do que já escrevemos, mas uma história original.

O que é chamado de burel era uma bata que Balzac vestia sobre a roupa, quando escrevia, o que fazia tomando café o tempo todo. Mas o convite feito por Balzac foi atendido por Osmar Ramos Filho, do Rio de Janeiro. Psicólogo de profissão, porém profundo conhecedor da obra de Balzac (este deixou cerca de 120 romances), resolveu “psicanalisar” não Balzac, mas a psicografia. Os resultados de sua pesquisa estão no livro O Avesso de um Balzac Contemporâneo]. É um livro com quase 600 páginas e letra miúda (para comparar, a psicografia tem 325 páginas, metade do formato e letra grande) e a conclusão a que ele chega é que Cristo Espera por Ti é um pasticho da obra de Balzac, feito à moda de Balzac, com o estilo de Balzac e que, portanto, só poderia ter sido feito pelo próprio Balzac. Osmar mostra, por exemplo, que Balzac se repetia, pois personagens secundários de um romance surgem em outros como principais e vice-versa, situações da vida se repetem (Balzac é um historiador dos costumes), e o mesmo padrão de repetição encontra-se na psicografia. É algo impressionante acompanhar esta análise. Segundo Hermínio Miranda, no prefácio de O Avesso, trata-se de obra única no mundo.

Com respeito a análise de uma obra mediúnica, pode-se ainda levantar a questão: “e a participação do médium?” A respeito disto há um estudo interessante na Revista Espírita. Alguém escreve a Kardec perguntando sobre a validade de uma comunicação recebida por uma médium, em que aconselhava um outro médium a cobrar pelas suas consultas e distribuir o dinheiro aos pobres. A comunicação era atribuída ao Sr. Jobard. Na Revista Espírita há várias comunicações de Jobard, figura destacada, na época, da indústria belga: sua carta, quando encarnado, comunicando sua adesão à causa espírita e várias outras via a pergunta a seis médiuns da Sociedade Espírita de Paris para que o próprio Jobard, se possível, pudesse responder à pergunta. Estes médiuns, desconhecendo que a mesma pergunta havia sido formulada a outros, trabalharam em suas casas e no dia seguinte deram sua resposta a Kardec, conforme este havia solicitado. Todas as seis respostas são perfeitamente coincidentes em sua essência, apesar das diferenças, diríamos, de estilo. Todas, assinadas por Jobard, afirmam que não se deve cobrar e em todas há um trocadilho: “estão querendo me fazer de jobard” (jobard em francês quer dizer também bobo, tolo), devido ao fato da mensagem recebida anteriormente ter sido assinada com seu nome. Este é um caso muito interessante que merece ser analisado por todos aqueles que se dedicam aos trabalhos de intercâmbio com o mundo espiritual.

– Periódicos: São os jornais, as revistas, os boletins etc. destinados aos espíritas e aos não espíritas, divulgando a Doutrina e o Movimento Espírita. Merece ser destacado aqui que o primeiro periódico espírita do Brasil foi o Echo d'Além-Túmulo, lançado na Bahia em 1865, por Luís Olímpio Teles de Menezes. Este pioneiro parece ter sido também o fundador do primeiro grupo espírita do país. A Revista Espírita, que existe até hoje, foi fundada em 1858 por Kardec e os volumes deste período (1858-69) encontram-se totalmente traduzidos para o português (EDICEL e IDE). É interessante que a Revista Espírita faz menção ao surgimento do Echo d'Além-Túmulo. Há em nosso país duas revistas que, em nossa opinião, consideramos das mais importantes:

Reformador, editada pela FEB e fundada em 1883 por Augusto Elias da Silva, e Revista Internacional de Espiritismo editada pela Casa Editora O Clarim e fundada em 1925 por Cairbar Schutel.

No Brasil há centenas de jornais e boletins, alguns mais volumosos, outros mais singelos, porém todos divulgando a Doutrina e o Movimento Espírita, inclusive no exterior. Pedimos vênia ao leitor, mas não podemos deixar de citar o Alavanca, jornal da USE Intermunicipal de Campinas (SP), pelo fato de fazermos parte de sua equipe editorial.


Texto (parcial) extraído da Revista Reformador, edições abril e maio de 2003.

(*) dado atualizado para o ano atual.

Um comentário:

Luisa disse...

Os livros espíritas são material para inúmeros e extensos estudos, tanto no sentido doutrinário, como no sentido literário - como bem mostrou o nosso psicanalista ao estudar Balzac ;)

^